sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

O USO CORPORATIVO DAS REDES SOCIAIS.

Boa noite Galera !


As empresas estão percebendo que a galera jovem ou melhor a GERAÇÃO Y, permanecem por muito tempo nas mídias sociais, e agora o grande desafio é : adequar essas ferramentas ao processo de trabalho sem que a produtividade do colaborador diminua........










Além de indicar que mais de 70% das corporações ao redor do mundo já têm presença nas mídias sociais, um estudo da consultoria KPMG Internacional, realizado em dez países, mostra que o Brasil aparece em 4º lugar entre as nações que despontam com presença mais intensa de suas empresas nas novas mídias.

Das organizações brasileiras consultadas, 69,1% indicaram já ter iniciativas ligadas a estes meios de comunicação, percentual próximo aos 70,4% da média geral. Na liderança da lista está a China, com 82,7%.

Por mais que a importância e o uso das novas mídias venham ganhando destaque no ambiente corporativo, o seu acesso, por parte dos funcionários, ainda é tema de debate. E a pesquisa apurou que as organizações mais severas quanto ao acesso de seus profissionais às redes sociais podem estar investindo em uma "batalha perdida". Um terço dos funcionários de empresas em que o acesso a redes sociais é bloqueado disse que não apenas estava usando as mídias sociais no escritório, como se empenhava em "burlar os sistemas de proteção" de seus equipamentos de trabalho para "saciar suas necessidades nas redes".

A satisfação no trabalho e o engajamento dos funcionários também são afetados pelo acesso aos meios de comunicação social: 63% dos funcionários de organizações que têm políticas abertas de acesso a mídias sociais disseram que estavam satisfeitos em seu trabalho, contra apenas 41% daqueles que tiveram seu acesso restrito.

Pensando nisso, a maioria das organizações consultadas indicou que desenvolve políticas específicas ou apresentou um conjunto informal de expectativas para que seus profissionais se engajem nas mídias sociais. Mais da metade delas oferece aos seus funcionários formação específica em mídias sociais, e 62% já tinham desenvolvida uma política específica de mídias sociais.

Sobre os controles adotados, enquanto quase 60% dos gerentes dizem que suas organizações monitoram o uso que os profissionais fazem das redes sociais, apenas 40% dos funcionários estavam cientes desse cuidado das empresas. "A adoção de políticas claras, práticas e concisas, apoiadas por uma formação adequada, deve ser uma prioridade na agenda dos gestores, para dar aos empregados a confiança para que sejam ativos e produtivos nas mídias sociais, ao mesmo tempo em que são reduzidos os riscos por conhecerem os limites dentro dos quais eles devem agir", orienta Malcolm Alder, sócio da área de economia digital da KPMG na Austrália.

A KPMG ouviu 1 850 gerentes e 2 016 funcionários de empresas de dez países para realizar esse levantamento.



FONTE : REVISTA VOCERH


"A pesquisa mostrou que funcionários que tem acesso permitido mas supervisionado ás redes sociais estão mais contentes com o trabalho, eu  ficaria muito contente em poder ajudar a minha empresa via TWITTER por exemplo"
(Edgard Michel) 

Nenhum comentário: